9 coisas que você precisa saber sobre Montecristo

Montecristo é uma das marcas de charutos mais reconhecidas do mundo. Até mesmo os não-apreciadores de charuto conseguem identificar o logo icônico da marca – seis floretes dourados que formam um triângulo em torno de uma flor-de-lis ao centro. Como outras marcas de charutos, há tanto uma versão cubana quanto uma versão não-cubana de Montecristo vendida em lojas de charutos ao redor do mundo.

Apesar da extrema semelhança entre as marcas, que muitas vezes pode confundir um apreciador iniciante, o Montecristo CUBANO traz em seu logo a subscrição HABANA, enquanto sua versão OFF-CUBA produzido na Rep. Dominicana com foco no mercado Norte Americano, traz a subscrição M&G

Tradução / Adaptação: Cigar Aficionado (matéria completa em inglês)
Foto: Jeff Harris

mc-home-history-croppedInfelizmente as versões não-cubanas do Montecristo não estão disponível no Brasil, por falta de uma importadora que se arrisque a pagar as taxas de registro para os produtos na ANVISA.

FOTO: Anilhas de Montecristo OFF-CUBA

Em 2015 Montecristo completou 80 anos, um marco que foi homenageado com charutos especiais de Cuba e da República Dominicana.

Quer você goste ou não de acender uma versão cubana ou não-cubana de Montecristo, a marca tem uma história interessante. Aqui está uma lista de nove fatos que você pode (ou não) saber sobre Montecristo:

1. Não é tão antigo assim.

Comparado à marcas como H. Upmann (criada em 1844), Partagás (1845) e Romeu e Julieta (1875), Montecristo é relativamente jovem. A marca foi lançada pela primeira vez em 1935 em Havana. Hoje, é um dos charutos mais populares do mundo.

2. Nasceu via aquisição.

Em 1935, Alonso Menendez adquiriu a Cuba’s Particulares Factory e criou uma nova marca de charutos. Torcedores de charutos tinham um “leitor” de livros e histórias enquanto trabalhavam, entre eles o romance O Conde de Monte Cristo, de Alexandre Dumas. Segundo a lenda, Menéndez nomeou sua nova marca depois do livro – transformando Montecristo em uma palavra, em vez de duas – e decorando a caixa com um triângulo de floretes, uma homenagem às espadas mencionadas no romance.

3. Montecristo No. 4

Em caso de dúvida, compre um Montecristo No. 4.
O Montecristo No. 4, um petit corona que mede 129mm x 16,7mm (RING 42), foi o charuto cubano mais popular por muitos anos. Ele foi ultrapassado pelo Partagás Série D No. 4, mas permanece imensamente popular. Você pode encontrá-los facilmente em qualquer lugar, e eles são incrivelmente bons, apesar de serem produzidos em quantidades imensas e em mais de uma fábrica. Relembrando cinco anos de avaliações da Cigar Aficionado, o charuto não marcou menos do que 89 pontos, e marcou nota máxima 93. Disponível no Brasil através da importadora oficial EMPORIUM CIGARS em caixas de 25 unidades, ou petacas de 5 unidades. Eles têm um preço razoável quando comparado à qualidade: cerca de US$ 6 em Cuba, US$ 17 em Londres e no Brasil entre R$ 80 – 140,00.

h-upmann-fabrica-placa-antiga4. Eles costumavam ser torcidos exclusivamente na fábrica da H. Upmann.

Cerca de um ano depois de criar Montecristo, Menendez criou Menendez Garcia y Cia., Que rapidamente comprou a fábrica H. Upmann (e a marca com ela), transformando na maior de Havana com mais de 1.100 trabalhadores, torcendo os charutos Montecristo e H. Upmann.

5. Houve uma imitação intencional.

Quando a família Menendez perdeu a marca para a nacionalização cubana em setembro de 1960, eles deixaram Cuba, praticamente sem dinheiro. Em 1961, Benjamin Menendez (o filho de Alonso, dono de Menendez Garcia) abriu a Compania Insular Tabacalera S.A. em Las Palmas, Ilhas Canárias e começou a fazer Montecruz. Alonso era um investidor na empresa. Era quase uma cópia de Montecristo e se tornou um dos charutos mais vendidos nos Estados Unidos.

Em 1972 a ação Menendez vs. Faber, Coe e Gregg Inc.- este último um importador de charutos cubanos – foi o caso marco que estabeleceu o direito dos cigarmakers no exílio para comercializar suas versões das marcas que eles usaram para fazer em Cuba. A ação levou à criação da Cuban Cigar Brands NV, que detinha as marcas comerciais H. Upmann, Montecristo e Por Larrañaga. Nos anos 70 viram a criação das marcas não-cubanas Partagas e H. Upmann. Em 1990, a Consolidated Cigar Corp. (que acabou se tornando a Altadis após as fusões) começou a fabricar Montecristos para o mercado norte-americano.

6. Tem uma grande variedade

A marca Montecristo tem pelo menos 15 submarcas fabricadas em Cuba, na República Dominicana e na Nicarágua. Em Cuba, você pode escolher entre a linha tradicional Montecristo, o Montecristo Open (que foi colocado à venda em 2009) e Montecristo Línea 1935 (uma nova versão que começou a ser comercializada no ano passado). Alguns consideram os charutos cubanos Montecristo Edmundo (Edmundo, Double Edmundo e Petit Edmundo) como uma marca dentro da marca. Para Montecristos não-cubanos, há pelo menos uma dúzia de versões, desde o suave Montecristo White até o forte Monte by Montecristo AJ Fernandez.

montecristo_white_cigars.jpg

7. Montecristo A

É a única marca cubana com um tamanho “A” sobrevivente …
Romeu e Julieta Fabulosos, Sancho Panza Sanchos e Davidoff 80 Aniversarios estão um pouco longe do tamanho “A” de Cuba, onde o Montecristo “A” permanece. O fumo de 9 1/4 de polegada é o mais longo feito em Cuba hoje em uma produção regular.

montecristo-A.jpg

8. … Mas demorou a entrar no movimento robusto.

O tamanho de charuto mais popular do mundo é o robusto, e existe há décadas. Mas até recentemente, a marca cubana Montecristo não possuía um tamanho robusto de produção regular. O Montecristo Robusto apareceu pela primeira vez em 1998 em um jarro Millennium de edição limitada, e depois como Edición Limitada em 2000. Para charutos de produção regular, o novo Montecristo Línea 1935 Dumas (5 1/8′ – RING 49) é o mais próximo de um formato robusto. Chegou ao mercado no ano passado.

montecristo_dumas_onde-comprar

Já a linha não-cubana tem vários robustos, incluindo o Montecristo Nicarágua Robusto, o charuto #10 da lista de Melhores Charutos de 2018 pela Cigar Aficionado.

9. Os antigos podem ser bastante valiosos.

Há tempos existiu um Montecristo B, um charuto que foi descontinuado anos atrás. Media 5 3/8′ – RING 42. Uma caixa preenchida parcialmente (tinha 30 charutos) foi vendida uma vez por cerca de USD 8.500 em um leilão, aproximadamente USD 284 dólares por charuto. Houveram também o Montecristo No. 6 (4 7/8′ – RING 36) e o Montecristo No. 7 (6 7/8′ RING 28), mas eles se foram há muito tempo. Quem tiver um desses pode ser considerado um verdadeiro tesouro!

Tradução / Adaptação: Cigar Aficionado (matéria completa em inglês)

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s